A cantora punk pop Pink já passou por muito (O divórcio dos seus pais quando era pequena, o problema com drogas na adolescência e agora o fim do seu casamento.)

Mas a estrela que agora vai lançar seu quinto CD está motivada por outra história trágica. Uma de suas fãs fiéis escreveu pra ela como sobreviveu a anos de abusos sexuais ouvindo a música da cantora.

Pink convidou o The Sun para ouvir seu novo CD num estúdio de gravação em Malibu, perto de sua casa e lá ela revelou sua misteriosa motivação.

A cantora disse: “Eu me lembro de estar em Paris, falando sobre minha infância, o divórcio dos meus pais e comecei a chorar durante a entrevista”

“Eu pensei que estava enjoada da música e achava que não aguentava mais. Mas daí, pouco tempo depois, eu recebi uma carta de uma garota de 13 anos dizendo que seu pai estava estuprando sua mãe. E continuou dizendo que sua mãe tinha acabado de morrer e agora ele estava estuprando-a. Ela disse que quando ouvia minha música não tinha vontade de morrer. Ela escreveu que eu nunca poderia parar de fazer música porque eu a ajudei. Eu sinto calafrios toda vez que falo sobre isso. Eu tenho as 50 piores cartas me lembrando que esse trabalho não é sobre mim. É maluco. Algumas pessoas podem dizer que as novas músicas são besteiras, mas me faz sentir melhor que alguém pode estar passando por um momento difícil de uma maneira mais fácil. Eu recebo todas as cartas… “Você fez com que eu me assumisse” é o título de uma. Eu recebi uma que realmente me tocou. Dizia “Eu não quero ser como você, você me fez querer ser como eu”. Essa é minha favorita, eu amo pra ca*****.”

Pink teve problemas pessoais para resolver ano passado, ela se separou do seu marido Carey Hart. A nova música So What é sobre a separação. No clipe da música a cantora aparece furiosa, ela corta uma árvore que estava escrito o nome do casal dentro de um coração.
Ela admitiu “Nós somos malucos e nos amamos e sempre nos amaremos, mesmo não sendo marido e mulher. Ele sabia no que estava se metendo há 6 anos e meio atrás. Nós somos melhores amigos, realmente somos. É confuso para a maioria das pessoas mas é isso mesmo. Eu tive que me esforçar ao máximo e sugar tudo que havia em minha vida recentemente. Eu não tive nenhum assunto para retratar nestes dois anos que trabalhei e me empenhei neste novo trabalho. O universo sabe exatamente como me empenhei para que a coisa saísse. Eu não rendo quando estou muito feliz. Eu não consigo escrever. Eu realmente coloco meus sentimentos naquilo que faço. Eu me torno uma pessoa totalmente transparente e aberta para todos vocês. E isso não me ajuda muito. Daí sinto que crio uma barreira para minha alma toda vez que escrevo. E não começa a fluir até eu entrar em turnê. Até hoje, 8 anos depois do lançamento do meu primeiro CD, eu ainda escrevo sobre tempos ruins.”

A ganhadora do Grammy já vendeu 22 milhões de CDs no mundo todo. Ela gravou, fez turnê e se apresentou sem parar desde seu CD de estréia em 2000, quando tinha apenas 20 anos. O seu quinto CD Funhouse sairá no Reino Unido em 28 de outubro, ela calculou para que a data de lançamento fique longe de artistas de destaque como Britney Spears.

“Eu espero não querer mais do que eu aguento, e não quis até agora, eu vejo outros fazendo isso e é nojento. Eu fui sortuda de ter conseguido um contrato numa gravadora com 16 anos mas só lançar um CD com 20. Eu tive 4 anos para assistir todas se ferrarem e estourarem e acharem que eram uma merda. Você vê as mesmas pessoas no subindo do mesmo jeito que despencam. Mas daí recebi essa carta de uma garota de 13 anos que a mãe estava sendo estuprada pelo avô dela. Está em toda parte na música. É incrível. Eu sempre me sinto especial quando sentem que é sobre eles. Eu não penso que é sobre mim. Minha melhor amiga é mãe solteira, que está falida e trabalha numa seguradora que odeia. Meu irmão é da força aérea, portanto está quebrado também. Meu pai é um veterano do Vietnã, desempregado e minha mãe é enfermeira. São todos empregos muito trabalhosos. Eu não ando com gente rica.”

Ela conhece gente que vive bem como o jogador de Tenis e comentarista americano John McEnroe que mora perto dela.

“Eu moro na quadra onde Jim Carey tem uma casa, mas ainda não se mudou, John McEnroe mora ali perto, ele vai sempre a um Karaoke da região. Jogo Tenis muito mal, ele deveria me ensinar e eu iria ajuda-lo a cantar no Karaokê.”

Pink tem uma reputação de garota problema nos Estados Unidos, mas não como Amy Winehouse tem no Reino Unido.

“Amy Winehouse é maravilhosa. A música dela é como ela e é brilhante pra caramba. Se eu andasse com ela, seriam péssimas notícias. Seria como eu 10 anos atras mas com drogas diferentes. Eu estou limpa há muito tempo e estou muito orgulhosa de estar assim. Eu zuava que nem louca e ninguém se importava quando eu era Alecia, e saí dessa mesmo assim. Posso zuar ainda, ainda fico louca. Faço festas em casa mas agora fico só no vinho tinto e tudo é mais civilizado.”

Ela tem admiração por artistas britânicos como Russel Brand.

“E não é apenas Amy, eu também gosto da Adelle, aquela voz me mata. Eu sempre quis ter aquele tipo de voz. A voz dela é incrível, Eu também escuto as músicas da Lilly Allen, acho ela engraçada pra caramba. Eu amo Russel Brand. Fiz uma entrevista com ele antes. Há alguns anos, ele foi muito maravilhoso. Estou orgulhosa que ele esteja arrasando nos EUA. Ele é inteligente, e tem uma história. Ele conhece tudo e é muito charmoso. Ele é um bom entrevistador. Nós precisamos de novos talentos nesse país (EUA). Como comediantes nós estamos muito atrás de vocês (Reino Unido)”

Se essa não foi uma entrevista maravilhosa, eu não sei como é uma!


Pink com Gordon


Fonte: TheSun.co.uk.
Tradução: Nickisis

Anúncios